Vende-se Tudo!




“Deixei de lado o zelo excessivo por coisas que foram feitas apenas para se usar, e não para se amar. Hoje me desfaço com facilidade de objetos, enquanto que se torna cada vez mais difícil me afastar de pessoas que são ou foram importantes, não importa o tempo que elas estiveram presentes em minha vida.” 


Irene, a quem carinhosamente chamo de Mama, é uma fabulosa amiga há anos, desde que me mudei para minha atual residência. Tenho rido muito com ela, ultimamente.

Quando Mama Irene me enviou esta apresentação que publico, ela se viu retratada em todas as situações, pois, às vésperas de se mudar para junto das filhas que moram distante, ela agora está assistindo televisão sentada no chão, já que sua mobília foi vendida e doada para os vários interessados em venda de garagem - na verdade aconteceu a oito andares acima do estacionamento. Eu mesma adquiri algumas coisas, porque estou acabando de mobiliar minha casa.

Essa minha amiga conta que muitos pediam de graça objetos de valor estimativo, mas sei que “nenhuma recordação dela foi vendida ou entregue como brinde”.

O texto inteligente de Martha Medeiros é uma ode ao desapego: Não são as coisas que possuímos ou compramos que representam riqueza, plenitude e felicidade. São os momentos especiais que não têm preço; as pessoas que estão próximas da gente e que nos amam; a saúde; os amigos que escolhemos; a nossa paz de espírito!

Sentirei muito tua falta, minha amiga, mas estarei te visitando em breve. Aguarde-me!

Melhor visualização na tela cheia (full screen) - Clique "F" no teclado
Formatação: Mariza V. Rodrigues 
Fundo Musical: Lamour em Hermitage, Nana Mouskouri

10 comentários:

  1. Obrigada, Yolanda,

    até que não saí tão mal na foto!

    Beijos da tua 3ª "mamma".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada para agradecer, minha boa amiga. Registro aqui a magia que a fotografia nos proporciona: congelar momentos retidos na memória para sempre.
      Quantas "mammas" tenho, não? Que bom!
      Beijos
      Yolanda

      Excluir
  2. Bom dia Yolanda, lindo texto, belo trabalho de apresentação. Amiga, gostaria de lhe dizer que o que mais me deixa feliz e ver seu blog ativo, sempre nos transmitindo valores e exemplos de vida.
    Meu carinho e respeito a você
    Seu amigo
    Wellington

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço o carinho da mensagem, meu bom amigo Wellington.
      Este blogue só é possível, graças aos belos trabalhos formatados por pessoas sensíveis como você, que também nos proporciona lindas edições de vídeo, os quais faço questão de publicar em minha página Arquivo Musical.
      Meu respeito é recíproco.
      Um forte abraço,
      Yolanda

      Excluir
  3. Yolanda, durante a vida vamos aprendendo o real valor das coisas, mas infelizmente aprendemos através da tristeza. Não vou dizer que a felicidade não ensina, pois ela nos serve de parâmetro de comparação entre o que nos satisfaz a alma ou não.
    A gente perde tantas pessoas queridas durante a nossa trajetória de vida, que até penso que estamos nessa vida para aprender a nos desapegar das coisas mundanas.
    Ontem mesmo escrevi no twitter: Se você tiver amor pelas pessoas, você não terá amor pelas coisas.
    ...
    Como você participou do último 5º BookCrossing Blogueiro, vim te avisar que o próximo está chegando! Doar livros também é uma forma de praticar o desapego e de quebra ajudar a espalhar cultura.

    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita e comentário, Luma!
      Acredito que o desapego de coisas materiais eleva o espírito. Mas, a perda de pessoas queridas é muito difícil de lidar, mesmo que acreditemos que exista vida após a vida.
      Estarei atenta para o próximo Book Crossing Blogueiro. A pessoa para quem ofereci um livro de minha biblioteca pessoal amou a iniciativa.
      Meu carinho,
      YOlanda

      Excluir
  4. Yolanda querida, nao sei se voce lembra, eu já falei algumas vezes no Masquerade sobre o desapego. Quando eu aprendi a sentir isso e praticar, eu libertei o meu espírito. Não que eu fosse muito materialista, a verdade que pequenas ações podem fazer muita diferença para se viver mais em paz.

    Outra coisa, o desapego ajuda a perdoar tambem.

    BEIJOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sissy, fadinha do bem! É uma alegria sua presença neste espaço.
      Tenho passado por tantas mudanças, que aprendi a duras penas a me desapegar de várias coisas.
      O maior desafio é lidar com a perda de pessoas...
      Meu carinho,
      Yolanda

      Excluir
  5. Yolanda, o desapego faz muito bem para a alma e é um exercício. Uma pena sua amiga estar se mudando, mas como estará perto de suas filhas, tenho certeza que você se sente muito feliz por ela. O ato de doar faz um bem danado à alma.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz com sua presença, Bia!
      Concordo que o desapego enaltece o espírito.
      Despedidas são difíceis para mim, mas levo a certeza de que minha amiga estará mais feliz entre os seus.
      Meu cordial abraço,
      Yolanda

      Excluir