Máscaras




“Cada vez que ponho uma máscara, logo descubro que só atraio a outros mascarados.”





Lembro-me das matinês, quando eu brincava ao som de marchinhas carnavalescas, com muito confete, serpentina e o inocente lança-perfume...

Dias antes, minha mãe preocupava-se em providenciar a fantasia: bailarina, escrava egípcia, marinheira, havaiana, odalisca, dentre tantas que tive o privilégio de vestir. A parte mais animada era a da maquiagem e de arrumar os cabelos. Sim, porque nessa época era permitido às crianças e pré-adolescentes usarem batom, blush e lápis para os olhos. Era uma satisfação!

Depois de acabada a folia, ficava a recordação daquelas tardes de alegria e diversão.  As sobras de serpentina eram usadas para fazer móbiles e, durante alguns meses, ainda se encontravam confetes coloridos espalhados pela casa e pelas ruas...  

Um tempo de inocência, bem diferente do “vale tudo” de hoje em dia...

Divertir-se é muito bom - é necessário à saúde mental, porém, o exagero e o mau uso do tempo nessas ocasiões levam o indivíduo a pensar que “é admirado” só por causa da máscara que usa. Um triste paradoxo... Pois, o que mais se deseja obter com as máscaras é, precisamente, o que não se consegue com elas.

Melhor visualização na tela cheia (full screen)
Formatação: Amélia Soares  
Texto de Gilberto Lazan 
Fundo Musical: Concerto D’Aranguez. Alain Morisod & Sweet People

15 comentários:

  1. Amiga Yolanda

    Parabens pela linda postagem" Mascaras". Tenho observado que nos ultimos tempos suas postagens tem sido cada vez melhores.Tanto no conteudo, como no visual.Agradeça a Deus que deu a voce sensibilidade e inspiraçao para publicar textos maravilhosos.

    um abraço da amiga

    Meiri da Silveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha boa amiga Meiri, você sempre muito carinhosa e gentil!
      Interessante sua observação sobre minha maior sensibilidade e inspiração. Acho, amiga, é porque tenho falado mais de mim, sem travas...
      Obrigada pelo prestígio!
      Beijos,
      Yolanda

      Excluir
  2. Olá, Yolanda! Sua descrição sobre o carnaval lembrou muito meus próprios tempos de criança, época em que adorava me fantasiar e festar. É uma pena que pessoas ainda precisem de máscaras para se encontrarem (ou se perderem). Um abraço, bom feriado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bons tempos aqueles, não?
      Ao longo dos anos,desinteressei-me pelas festas carnavalescas porque ficaram sem sentido. Vejo foliões aglomerados em espaços reduzidos, com roupas minúsculas e copos na mão - essa fantasia virou sinônimo de "curtição"... Do quê, não sei...
      Obrigada pela presença, Bia!
      Meu carinho,
      Yolanda

      Excluir
  3. Boa noite Yolanda! Passando no seu cantinho para lhe desejar um feliz carnaval.

    Com afeto, Amélia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga Amélia, uma alegria ter sua graciosa presença neste meu espaço.
      Aproveite o feriado, você também.
      Carinhosamente,
      Yolanda

      Excluir
  4. Vale tudo define muito bem os tempos modernos. Perdemos o sendo daquilo que realmente interessa. Há muitos anos não assisto nem o carnaval de rua. Ficou indecente! Modernidade? Sei lá! Mais uma excelente postagem amiga Yolanda!
    Grande Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos dois, amigo Paulo, Cidadão Araçatuba.
      Comentei com Bia sobre o que penso sobre as "orgias carnavalescas" atuais. Perdeu o encantamento de vestir a fantasia e sair na avenida para brincar, tão somente...
      Agradeço o prestígio.
      Meu cordial abraço,
      Yolanda

      Excluir
  5. Adorava os CARNAVAIS de outrora que eram esperados e curtidos com alegria e além de tudo eram saudáveis.
    Hoje as máscaras são outras, Yoyo...
    perigosas e traiçoeiras.

    Grata por ir desejar FELICIDADES ao meu cantinho em FESTA!!!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha boa amiga Malu, fico muito feliz com tua presença!
      Concordo com você sobre os novos tipos de máscaras usadas atualmente.
      Mesmo assim, fico aqui em casa cantando as marchinhas que ficaram eternizadas em minha memória: Mamãe eu quero, Máscara Negra, Pierrô apaixonado, dentre tantas outras bem animadas...
      Meu carinho,
      Yolanda

      Excluir
  6. Yolanda, que legal, hoje, para mim, é dia de viagem ao tempo sobre Carnavais na minha vida e na de voces tambem. Então sentimos saudades de nosso maravilhoso tempo. Ele não se foi, ele permanece inalterado dentro de nós e estamos agora falando dele...

    E... que as pessoas aprendam a despir-se de mascaras. É um problema cultural para muitos, especialmente brasileiros,... mas... confiemos.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Amiga Sissy, conforme comentei com Malu, do Infinito Particular, por estes dias estou cantando as tradicionais marchinhas carnavalescas... Uma forma de me divertir de maneira saudável.
    Penso que para muitas pessoas despir-se das máscaras seja doloroso, porque olhar-se para dentro de si mesmo nem sempre é agradável! É um exercício diário e penoso, mas que leva à libertação.
    Obrigada pela presença, fadinha do bem!
    Meu forte abraço,
    Yolanda

    ResponderExcluir
  8. Ah minha querida Amélia!!! Como é maravilhoroso ter tua amizade e receber estes maravilhosos "presentes" diáriamente.
    Você sabe o quanto te admiro, minha querida AMIGA!!!
    Bjo.
    Marcos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcos. Fico feliz em ser intermediária no comentário para Amélia Soares, uma excelente formatadora e uma pessoa muito simpática e generosa.
      Agradeço o prestígio.
      Meu cordial abraço,
      Yolanda

      Excluir
  9. Olá Marcos, que bom você aqui nos prestigiando!
    Agradeço sua amizade.
    Agradeço também a Yolanda em postar meus trabalhos,
    é uma honra tê-los aqui.

    Bjs nos dois.

    Amélia

    ResponderExcluir