Toque-me, por favor!







Necessito de seus braços carinhosos, preciso de uma voz terna. Quando a vida fica difícil, a criança em mim volta a precisar.” 







Por esses dias, tive a curiosidade de pesquisar os marcadores que insiro nas minhas publicações e surpreendi-me com a quantidade de palavras usadas nas apresentações que aparecem em minhas postagens. Vida está em primeiríssimo lugar, acompanhada de Amor...

Localize Marcadores neste blogue e constate o número de vezes que cada palavra já apareceu: Vida: 66, Amor: 62, Beleza: 34, Paz: 27, Coração: 24, Natureza: 24, Esperança: 22, Tempo: 22, Alegria: 18, Flores: 18, Deus: 16, dentre tantas outras.

Acredito que esses marcadores mostram o meu modo de ser e estar, naquilo que acredito e considero essencial. Todas elas me tocam... E você, quais as palavras que tocam seu coração?


Aproveite para apreciar esta linda apresentação que fala, é claro, de vida e amor!

Melhor visualização na tela cheia (full screen)
Formatação: Marysa
Fundo Musical: Yanni- So long my friends

Sugestão de leitura: "O poder do toque", artigo com a pesquisadora americana Tiffany Field, autora do livro “Touch”. Segundo pesquisa, a diminuição da violência é apenas um dos inúmeros benefícios que o toque pode trazer às pessoas.

9 comentários:

  1. que lindo, Yolanda. Realmente, é no abraço, na mão dada, a gente sente a transmissão do amor, união, fraternidade.

    uma maneira simples de melhorarmos o mundo!
    muito bem pensado

    bom dia

    ResponderExcluir
  2. Oi, Yolanda!

    Por isso que gosto tanto de vir aqui. Identifico-me com sua forma de pensar, de ser, e de estar...

    Palavras que gosto? Vida e Amor, também, com certeza. E mais: Esperança, Superação, Natureza... E por aí vai, rs

    Um grande abraço
    Socorro Melo

    ResponderExcluir
  3. Adorei o blog e sua proposta! Você é uma simpatia! Pela foto mostra um sorriso iluminado! Já tô te seguindo!
    Vem me visitar também!
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/
    Bjos no coração!
    Elaine Averbuch Neves

    ResponderExcluir
  4. Olá Alexandre! Fico muito feliz com sua presença por aqui. As pessoas estão carentes de contato físico, pois a tecnologia criou uma rede fantástica onde elas se tocam virtualmente, mas as mantém isoladas e solitárias, vivendo cada qual seu universo...
    Meu grande abraço,
    Yolanda

    ResponderExcluir
  5. Amiga Socorro, temos pontos e comum, então!
    Obrigada pelo carinho das palavras. Nestes tempos tão conturbados, a vida precisa da tônica do amor... Senão, fica difícil continuar...
    Meu afetuoo abraço,
    Yolanda

    ResponderExcluir
  6. Elaine, é uma satisfação receber sua visita neste meu singelo espaço. Você é muito gentil no seu comentário.
    Logo irei visitá-la!
    Um grande abraço,
    Yolanda

    ResponderExcluir
  7. Mais uma vez você surpreende.
    Sabe que sou um pouco detalhista, e sempre que assisto as apresentações que você posta, imagino temas dentro daquilo que vi e ouvi.
    Como temos dificuldade de sermos fraternos com as pessoas pessoalmente. Não sei se é vergonha,respeito, ou falta de jeito mesmo. Outro dia mesmo, meu pai este internado em um hospital,(já melhorou e está tudo bem, mas só para citar!) tive que levá-lo ao banheiro e o abracei para que se apoiasse em mim, senti uma sensação estranha, pois não temos o costume de nos abraçarmos, nem nos beijamos fraternalmente, estranho não é?
    Já meus filhos não, beijo-os e abraço-os,sinto a acolhida e eles também.
    Que bom que às vezes temos a chance de fazer diferente!

    Grande abraço (mesmo, RS...) Excelente final de semana à você e a todos os seus.

    ResponderExcluir
  8. Obrigada, meu bom amigo Paulo, Cidadão Araçatuba, pelo prestígio de sempre!

    Sou da geração em que a figura paterna era a pessoa que saía para trabalhar para o sustento da família e, talvez, pelo fato de ficar muito mais tempo fora de casa, a proximidade era algo bem tímido, quase nulo. Passei a abraçar meu saudoso pai, quando ele tinha seus 60 anos. Viveu até 82 anos. Antes disso, o toque era quase inexistente. Já a minha mãe sempre é muito carinhosa e beijoqueira... Ela está hoje com 86 anos.

    Sua história me fez lembrar um filme que assisti ontem "A Árvore da Vida", com Brad Pitt, Sean Penn, dentre outros atores. O filme aproxima o foco na relação entre pai e filho de uma família comum, e expande a ótica desta rica realação, ao longo dos séculos, desde o Bing Bang até o fim dos tempos, em uma fabulosa viagem pela história da vida e seus mistérios, que culmina pelo amor altruísta e o perdão. Um filme bastante interpretativo e arrastado, mas bem interessante.

    Meu forte abraço,
    Yolanda

    ResponderExcluir
  9. Amiga, somente as pessoas com sensibilidade conseguem ver um grande espetáculo no pôr-do-sol. Que bom que gostou da minha postagem. As suas são sempre maravilhosas e cheias de positivismo! Adoro vir por aqui...
    Abraços e grande domingo!

    ResponderExcluir