Pai, Pai, Beijo, Beijo


“Pai é quem se anula na obra que realizou e sorri sereno,  por tudo haver feito para deixar de ser importante. Mas, inesquecível.” (Artur da Távola)

A figura de meu saudoso pai ficará sempre eternizada em minha memória: um homem tranquilo, de fala pausada, trabalhador e que gostava de filmes de faroeste. Muito respeitoso e defensor dos bons princípios e educação.

Está na minha retina uma passagem, quando eu tinha uns sete anos meu pai com uma nota de CR$1,00 (um cruzeiro na época) pediu para que eu comprasse pão na vendinha próxima de casa. Fui, e como eu vi que também dava para comprar algumas balas, o fiz sem culpa. De volta, em casa, ele me pediu o troco e eu, sem graça, menti que não tinha sobrado dinheiro algum. Ele fez os cálculos comigo e entendi que não podia enganá-lo. Fui repreendida, mas aprendi a lição e não fiquei traumatizada.

A você, meu pai, meu beijo e meu carinho... E minha saudade!

Desejo a todos os homens que têm filhos, um feliz Dia dos Pais!


Melhor visualização na tela inteira (full screen)
Formatação: Isa Quintanilha
Fundo musical: You raise me up, Josh Groban

Nos anos anteriores, publiquei Filhos são como navios, e Ao pé do farol não há luz, lindas apresentações que valem a leitura. 

6 comentários:

  1. Soube há pouco tempo que existe uma agência de design especializada em apresentações com powerpoint: www.sitedaboa.com.br

    Muito legal... Vale a pena!

    ResponderExcluir
  2. Salve Esta Data Especial!
    Amiga YOLANDA:
    Terminei de ler a sua bela e comovente mensagem em homenagem ao seu amado pai e aos demais.
    Fiquei refletindo sobre a pequenina falha cometida quando você era criança, mas, inteligentemente você recebeu o corretivo e elegeu como um verdadeiro aprendizado.
    Ficou muito lindo o seu trabalho...o PPS nem se fala.
    (...) ser pai “é quem se anula da obra que realizou, e sorri, sereno, por tudo haver feito para deixar de ser importante.
    Mas, inesquecível” (Arthur da Távola)
    Minhas felicitações a todos os pais.
    Parabéns por mais um lindo Post!
    Abraços,
    LISON.

    ResponderExcluir
  3. Olá Yolanda!
    Como é bom lembrar de quem nos soube dar ensinamentos sem humilhar-nos, mesmo que com firmeza, mas por amor, não é?
    Meu pai também era calmo, bom coração,gostava de filmes de faroeste também...eu assistia com ele,às vezes. Também tive algo assim...acho que antes dos 6 anos eu acho, quando fui pra casa com um brinquedinho de meus amiguinhos que moravam em frente...ele me fez ir devolver, mas foi comigo até o portão,me dando apoio pois sabia que eu ia achar difícil,mas firmemente me ensinou que o que não é da gente, não se pode pegar,nem pra brincar...rs..... Como você, por tudo o mais, foi uma lição que aprendi sem traumas, porque foi dada com amor.
    Beijos e ótimo final de semana!
    Feliz Dia dos Pais para todos!
    Vera Alvarenga

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Nádia, pela indicação.
    Meu abraço,
    Yolanda

    ResponderExcluir
  5. Meu bom amigo Lison, Cidadão de Nhamundá, é uma alegria seu prestígio.
    Uma pequena falha de comportamento, quando corrigida na medida certa, é lição pra toda vida...
    Graças a Deus tive a oportunidade de ter um pai presente e que me deu bons exemplos.
    Obrigada por suas gentis palavras!
    Meu forte abraço,
    Yolanda

    ResponderExcluir
  6. Amiga Vera, fico feliz com sua presença neste meu singelo espaço.
    Ah... Tenho tantas passagens com meu saudoso pai! Lembro-me, quando tinha uns treze anos, fiquei de paquerinha com um garoto do clube social que frequentávamos e meu pai sabiamente me alertou que começar a namorar tão cedo representaria responsabilidade e muita vigilância por parte dele... Bastou, para que eu entendesse que era melhor aproveitar meu início de adolescência e me divertir com os amigos...E, assim, perpetuei sua fala com meus filhos...
    Agradeço o carinhoso comentário, amiga.
    Meu abraço sincero,
    Yolanda

    ResponderExcluir