Mães morrem quando querem


"Em geral, as mães, mais que amar os filhos, amam-se nos filhos." 
(Friedrich Nietzsche)

Quantas vezes você matou sua mãe? Conseguiu?

Esta crônica foi escrita por Alexandre Pelegi, em 11 de março de 2008, um dia após a morte de Ignês Pelegi de Abreu, sua mãe. Aborda o quanto matamos nossas mães em nossas vidas e que, no final, a decisão de partir é tão somente delas.

A primeira vez que li esse texto, estava fragilizada e emocionei-me. Preparei um lindo e-mail e enviei para meus filhos para que sempre se lembrassem dos momentos de ternura, quando eu os embalava nos meus braços. E, também, para que não se esquecessem de que a vida é efêmera e os laços eternos...

Como filha, reconheço a dedicação, amor e carinho de minha mãe, querida e presente, a quem homenageio com esta postagem.

Que todas as pessoas valorizem suas mães e que não esperem perdê-las para saber o valor que elas têm e a falta que fazem em nossas vidas!


Melhor visualização na tela inteira (full screen)
Texto: Alexandre Pelegi
Adaptação e reedição do PPS: Yolanda
Fundo musical: Ich liebe dich, Danna Winner (Letra e tradução, clicando aqui!)


Para recordar, na postagem A Canção da Mãe publiquei um lindo texto de Luciano Valente, homenageando as mães corujas.

6 comentários:

  1. Yolanda, que bom!!! Agora somos amigos também no Sonico. Em relação as mães, você melhor do que ninguém para dizer isto... Hoje pela manhã, na oração matinal que faço com os alunos, refleti com eles. Todo filho dever esforçar-se para fazer sua mãe feliz, pois a felicidade da mãe consiste em ver a felicidade do filho. Feliz dia das mães!

    ResponderExcluir
  2. Matei várias vezes!
    Hoje, porém, gostaria muitíssimo de fazer o processo inverso.
    A cada decepção acumulada, em cada tristeza vivida, a cada alegria gostaria de trazê-la, pois ela como ninguém sabia ouvir, respeitar, orientar.
    Já se passaram 7 anos, mas ainda hoje, quando passo pela casa dos meus pais (meu pai ainda é vivo), espero vê-la com seu sorriso perguntado-me:
    -Tudo bem meu filho? Quer um cafezinho?
    Não é mais possível, então cabe a nós continuar o caminho, procurando colocar amor no coração dos filhos para que um dia eles possam até "nos matar", mas pelo carinho, respeito e amor doados, com certeza também sentirão saudades nossas quando chegar a nossa vez!
    Adorei o post, obrigado por compartilhar!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Yolanda!
    Sempre tive em minha mãe o exemplo de tudo o que é bom e belo na vida. Hoje, vejo minha esposa com o mesmo carinho, cuidando de nossas filhas como se fossem pedacinhos da gente correndo por aí. O sentimento do amor materno e, talvez, o sentimento mais próximo do amor que Deus sente por nós. Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada oportunidade de ver este vídeo tão lindo.

    Senti um grande alívio de ter minha mãe comigo e por meu filho, ter-me com ele.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Feliz dias das mães, muita, muita,muita saúde, paz e alegrias par você e toda a sua família!
    Abração!

    ResponderExcluir
  6. Próximo ao Dia das Mães, resolvi, de repente:
    Fui à SP, de surpresa...Pensei: não vou aguentar passar mais um Dia das Mães aqui sozinha. Falei somente ao meu irmão, que me pegou no aeroporto e me deixou na porta da casa de minha mãe. Ela não sabia de nada...
    Ficou extasiada quando abriu a porta e lá estava eu... Eu lhe disse: "não tive dinheiro para mandar-lhe um presente por SEDEX, então, vim eu mesma..."
    Meu filho mais velho, sequer deu sinal de vida; liguei pra ele, mas nada.
    O caçula foi me ver...
    Mas, foi tudo muito rápido e emocionante.
    Ainda não me recuperei...
    Parabéns pela postagem, linda, linda, linda!
    BEIJOSSSSSSS

    ResponderExcluir